Home Valores Histórias das comunidades Região de Nova Resende

Região de Nova Resende

Investir cooperativamente para o futuro

Geraldo da Silva e os membros da Cooperativa tiveram algumas decisões importantes para tomar.

Eles possuem capital no banco e quando o prêmio anual Fair Trade for depositado em suas contas, terão muito mais. O grande dilema é: Onde e como usufruir?

É um dilema anual para os associados e que sempre provoca debates. Os associados desta organização em Petúnia, uma cidadezinha no interior de Minas Gerais, acabou de tomar uma decisão unânime de manter os fundos para a coleta e transporte das sacas de café da zona rural para os armazéns das cooperativas. Isto elimina um grande custo de frete para pequenos produtores.

Agora eles devem decidir onde investir o restante dos fundos que aderido ao prêmio deste ano pode chegar a 47.000 reais.

Geraldo diz que os agricultores que participaram das reuniões mensais identificaram três potenciais investimentos: um centro tecnológico aqui em Petúnia, um hospital do câncer em construção na vizinha cidade de Passos; e um centro de tratamento para portadores de AIDS em São Paulo, estado vizinho.

"Vamos visitar estes três lugares antes de tomar uma decisão".

Coopervitae – que significa cooperativa da vida – também atende pelo nome Cooperativa de agricultores Orgânicos de Nova Resende e Região. Foi fundada no final dos anos 90 como uma associação de produtores orgânicos; transformou-se em uma verdadeira cooperativa em 2001 e foi certificada como Fair Trade em Abril de 2006.

Atualmente conta com mais de 150 membros e com um porte médio de 6 hectares, de acordo com Geraldo, presidente da associação desde 1999.

A cooperativa recebeu cerca de 37.000 reais em prêmios nos últimos dois anos e investiu a maior parte equipando um pequeno escritório de frente a praça local e a igreja.

Os associados votaram para compra de balanças, torrador, mesa de testes e aparelho para medir a umidade dos grãos da colheita. Também compraram computador e impressora para o escritório, além de uma motocicleta para visitar os locais mais inacessíveis desta região montanhosa.

Geraldo diz que estavam tentando balancear os projetos promovidos como o hospital e o centro tecnológico com a ajuda dos associados à cooperativa.

"Estudaremos os procedimentos necessários" complementa. "A riqueza de nossa cooperativa são os agricultores. Se não cuidarmos deles não teremos nenhum café."